V ENEC

PROGRAMAÇÃO GERAL

15 de setembro – Quarta-feira

08:30 – 09:00 Credenciamento e Recepção
09:00 – 10:00 Mesa de Abertura: Instituições Promotoras e Comissão Organizadora
10:00 – 13:00 Conferência de Abertura: Os legados ideológicos do consumo: império, nação e cidadania no mundo moderno

Palestrante: Frank Trentmann (University of London)

Coordenador: John Wilkinson (CPDA/UFRRJ)

12:45 – 14:00 Almoço
14:00 – 18:00 Grupos de Trabalho

  • GT 1 – Politização e ambientalização do consumo
  • GT 2 – Inclusão social, consumo e a “nova classe média”
  • GT 4 – Globalização e circulação de bens e pessoas
  • GT 6 – Consumo, comunicação e marketing
  • GT 9 – Publicidade, cultura e consumo

16 de setembro – Quinta-feira

09:00 – 12:00 Mesa Redonda: Tendências e ideologias do consumo no mundo contemporâneoPalestrantes:

Lívia Barbosa (CAEPM/ESPM) – Consumo político

John Wilkinson (CPDA/UFRRJ) – Consumo, mercados e valores: novas configurações

Laura Graziela Gomes (PPGA/UFF) – Consumo e mundo digital: as novas configurações do mercado e do trabalho

Coordenadora: Fátima Portilho (CPDA/UFRRJ)

12:00 – 14:00 Almoço
14:00 – 17:00 Grupos de Trabalho

  • GT 1 – Politização e ambientalização do consumo
  • GT 3 – Cultura Material, cosmologias e sociabilidades
  • GT 4 – Globalização e circulação de bens e pessoas
  • GT 5 – Consumo alimentar: ideologias e movimentos
  • GT 6 – Consumo, comunicação e marketing
  • GT 7 – Consumo do ciberespaço e no ciberespaço
  • GT 9 – Publicidade, cultura e consumo

17 de setembro – Sexta-feira

09:00 – 12:00 Mesa Redonda: Estudos do consumo no Brasil e em Portugal: perspectivas comparativasPalestrantes:

Fátima Portilho (CPDA/UFRRJ)

Marta Rosales (FCSH/CRIA/UNL)

Coordenadora: Lívia Barbosa (CAEPM/ESPM)

12:00 – 14:00 Almoço
14:00 – 17:00 Grupos de Trabalho

  • GT 1 – Politização e ambientalização do consumo
  • GT 3 – Cultura Material, cosmologias e sociabilidades
  • GT 5 – Consumo alimentar: ideologias e movimentos
  • GT 7 – Consumo do ciberespaço e no ciberespaço
  • GT 8 – Mercados informais, ilícitos e “alternativos”